Nossas escolhas dependem dos nossos atos: Capítulo 21

                                                                  
                                                                              Capítulo 21
 ♥continuação do  capítulo anterior

Desde que Felipe apareceu em minha vida, posso dizer com toda certeza, que ela se tornou mais cheia de emoção, mais bonita, mais viva. E naqueles dias, em que estávamos nos dando tão bem, estavam sendo os melhores. Minha mãe e meu pai chegaram de viagem e quase me pegaram no flagra, querendo beijar Felipe:
— Então, mocinha! Responda! O que estão fazendo?
— Mãe... Nós..Bem... — Novamente, eu estava me enrolando. Até Mila aparece da cozinha, com o meu pote de sorvete e explica tudo a mamãe.
— Dona Luíza, que bom que a senhora já voltou de viagem. Bem, a gente tem se reunido todo dia aqui na sua casa, para estudar matemática. É que eu ando meio fraquinha nessa matéria e a Clara e o Felipe tem me ajudado muito.  Mila só esqueceu de dizer que era eu a "fraquinha" em matemática.
— Estudando matemática? Isso é uma coisa boa.  Aprovou papai. — Felipe, já que está aqui, posso finalmente falar com você. Há tempos quero conversar contigo, mas, o tempo não deixa.
— Tudo bem senhor. A hora que o senhor quiser.  Disse Felipe.
— Que tal agora? Tudo bem para você? — Felipe assentiu. As meninas e eu fomos para a sala de jantar, com nossos livros e cadernos, enquanto papai batia um papo com Felipe. 

Depois de um tempo, o grupo de estudos se despediu. Era nosso último dia de estudo. Mila e Pri foram para casa. Dou um abração nas duas e agradeço a Mila, por ela não falar pra minha mãe que era por minha causa, que havia aquele grupo de estudo. Felipe estava na sala conversando com meu pai, e eu estava ajudando mamãe na cozinha. Como estávamos silenciosas. Logo eu, que sou uma tagarela. Júlia aparece em seguida, sorrindo para o celular. Devia estar enviando mensagens para alguém. Nem repara que mamãe e papai chegaram de viagem. Apenas bebe um copo d'agua e sobe as escadas correndo, para o quarto dela.
— Essa daí, vive no mundo da lua! —  Fala mamãe.  Começo a rir. Finalmente era quebrado o silêncio.
— Concordo, mamãe. 
— Então, o grupo de estudos era só pra ajudar a Mila?  Mamãe estava desconfiada.
— Sabe mãe, não posso mentir! Tô uma negação em matemática e o Felipe e a Priscila vieram durante essa semana ensinar nós duas. Mas, pelo visto, só Mila aprendeu alguma...
— Filha paciência. Vai ver, matemática não é seu forte. Achei muito legal da parte desse menino ensinar vocês.  Dizia minha mãe com um sorriso no rosto.
— É... Ele é muito gentil. O que tanto o papai conversa com ele? 
— Não sei minha filha. Há dias que seu pai quer conversar com Felipe.

Vou de pontinha de pé, sem fazer barulho, escutar a conversa deles. Um fracasso. Não consigo ouvir absolutamente nada. Logo após, Felipe vai embora. Dessa vez, ele não se despediu de mim. Vou até a sala perguntar ao papai, o que tanto eles conversaram:
— Então, pai, o que vocês estavam falando?
— Nada demais. Perguntei a ele sobre sua vida antes daqui, como é no trabalho, essas coisas. E reafirmo o que sempre pensei: esse menino tem um grande peso em seu coração.
— Papai, ele falou algo sobre o pai dele?
— Não filha. Porquê?
— Parece que ele e o pai não se dão muito bem.
— Esses assuntos sempre são sérios. Ele precisa abrir o coração, e fazer as escolhas certas. Guardar mágoa é sempre, uma escolha ruim. — Como meu pai é um homem sábio, as vezes até eu fico de boca aberta com as coisas que ele fala.

Essa noite, teríamos novamente um jantar em família. Oramos juntos e desfrutamos de um belo ensopado de verduras. Júlia parecia mais brilhante, com as bochechas rosadas. Antes de dormir, fui perguntar à ela, o porquê de tanta alegria. Entro sem bater no quarto dela, e acabo provocando a onça:
— Sai daqui menina! Sabe bater não?
— Desculpa Ju! Só queria te perguntar uma coisa. Mais já que tá de mau humor, eu vou embora.
— Não, não vai não. Pergunta o que você queria.
— Me diz... Porque ultimamente você vive sorrindo à toa?
— Pelo mesmo motivo que tu. Eu estou amando! 
— Amando? Quer dizer, apaixonada?
— É! Achou que eu ia deixar minha irmã mais nova, namorar na minha frente? O nome dele é Leandro, 21 anos, alto, meigo e super engraçado.
Como conheceu ele?
— Ele é um cliente lá da loja onde eu trabalho. A princípio eu achava estranho ele frequentar muito a loja, mas, depois descobrir que era só pra se aproximar de mim. Fico até arrepiada quando falo nele.— Vocês já se beijaram?
— Tá louca menina? Lógico que não! O máximo que fizemos, foi um passeio pelo shopping onde trabalho e ficar mandando mensagens um para o outro. Se ele quer me beijar, tem que falar com meu pai. Quero namorar à moda antiga, e se ele não gostar, que procure outra. Comigo é assim!
— Ai, Júlia, você é meio doidinha, he he he. 
— Ahhhh, me bateu um soninho. Acho que vou dormir. Hei, nada de contar pro papai. Quero trazer o Leandro na sua festa e apresentar ao papai. Tudo bem?
— Tá, se você não desencalhar antes, eu também não desencalho!  Nisso Júlia joga um travesseiro que acerta a porta. Saio correndo do quarto dela, antes que ela jogue outro.

Fui para o meu quarto. Amanhã seria sexta-feira e no sábado seria o grande dia! Meu aniversário! Lógico que eu tava nervosa! Ainda nem havia comprado um vestido!!! Ia ser uma festa simples mesmo, então nada de coisas exageradas. Fiquei pensando no que quase eu ia fazendo na sala. Eu estava decidida a beijar Felipe! E se meus pais não tivessem chegado? Eu não devo me comportar assim. Isso não é certo. Queria saber porque ele não vem a minha festa de aniversário. 

Mamãe entra no meu quarto. Ela está com um embrulho nas mãos:
— Clara, está dormindo?
— Não, porquê?
— Eu sei que seu aniversário tá perto, e isso não nenhuma surpresa. Passei por uma loja na viagem, e vi um vestido e vi que era sua cara. 
— Mãe, não precisava. Eu já tinha um dinheiro guardado para comprar.
— Pois trate de deixar seu dinheiro guardado. Ora essa. Toma. Abre.

Abro o embrulho. Era um vestido rosa salmão, tomara-que-caia, na altura dos joelhos. Ela tinha razão. Era a minha cara.
— Obrigada, mamãe! É lindo! 
— Queria tanto te dar um vestido, porque quando eu tinha quinze anos, não tive festa e muito menos vestido, e eu quero que minha filha tenha lembranças boas dos seus dezesseis anos.
— Te amo mamãe!
— Também te amo, Clara. Bom, agora vou deixar você dormir. Amanhã tem escola. Boa noite.

Aquele momento mãe e filha foi algo tão mágico. Há tempos que eu não conversava com minha mãe.  Coloco minha cabeça no travesseiro. É tão aconchegante. O sono vem devagar...

Amanheceu! Caramba! Parece que foi ainda pouco, que eu acabara de dormir! Escovo os dentes, tomo meu banho, visto o uniforme da escola. Papai está lendo jornal, enquanto beberica uma xícara de café, mamãe está esquentando umas torradas, e Júlia continua no bendito celular, enviando mensagens para o "amado" dela. Dou um beijo nos meus pais e saio correndo para a casa de Mila.

Mila e eu conversamos um monte de bobagens e rimos de coisas que fazíamos quando éramos crianças. Chegando na escola, Felipe estava na sala de aula, com uma cara de quem viu um fantasma. Sento perto dele:
— Tudo bem, Felipe?
— Tudo. Só não tomei café direito.  Ele dá um sorriso torto.

As aulas passam rápido. Até que chega a aula de Educação Física. Eu detestava essa aula. A professora (que carinhosamente apelidamos de Sargenta) obrigava a gente a usar short curto e a ficar correndo que nem umas baratas tontas em volta da quadra. E eu te pergunto, qual a lógica disso?
Felipe pelo visto, não veio para a quadra. Assim que acaba a aula, as meninas vão para o vestiário trocar de roupa. Shirley passa por mim com seu scarpin azul (ela era a única garota da escola, que usava salto alto na hora da Educação Física) e me dar uma ombrada. Eu não seguro minha raiva e dou um berro:

— QUAL É A TUA GAROTA?
— Ui, pelo visto a ''santinha'' perdeu as estribeiras. 
— Shirley você me enche a paciência desde a segunda série! Afinal, o DIABOS VOCÊ QUER COMIGO???  Mila e Priscila me olham com uma cara de espanto. Elas nunca me viram tão zangada. Eu já estava ficando cheia da Shirley. Cheia da sua zombaria contra a minha fé. — Me responde!!! — Perguntei zangada
— Não perco meu tempo com fracassadas, como você! — Nisso uma voz se intromete. Era Fany, uma das seguidoras de Shirley, uma menina morena, incrivelmente bonita, com cabelos cacheados exuberantes:
— Chega Shirley. Para com isso. A Clara não fez nada.
— Vai ficar do lado dela?
— É... Que... Sim! Eu já cansei de você querer mandar nas pessoas! Ninguém merece!
— Ótimo. Então fica do lado dela então. Não preciso mais de você no meu grupo. Arrumo outra garota num estalar de dedos. 

Shirley se retira do vestiário, rebolando, com Becky sua seguidora. Mila elogia Fany:
— Garota, você enfrentou o dragão! Que coragem a sua!
— Eu cansei dela ficar humilhando as pessoas. Ela nunca foi minha amiga. Na prova de matemática, ela me deixou sozinha, e preferiu fazer dupla com o Otávio. 
— Sinceramente, ela nunca vai saber o que é amizade, se não parar de querer ser superior. - Completei.  Meninas, eu vou indo, tenho que...
...Achar o Felipe. Nós sabemos. — Falava Pri
— Então já vou.

O sinal da saída tocou. Shirley tinha razão. Ela realmente encontrou outra pessoa pra ficar no lugar de Fany. Era uma menina bem magrinha, que usava óculos de grau, com uma longa trança no cabelo. Não iria demorar muito pra Shirley mudar o visual da pobre menina. Precisava mesmo era encontrar o Felipe. Ele estava sentando em um banco. Pensativo:

— Felipe, oi! Você passou o dia calado.
— Tenho uma coisa, mas, não sei como te dizer...
— O que foi?
— Alberto... O meu pai. Ele tá chegando na cidade. Parece que é domingo. E eu não sei como vou encará-lo.
— E o que você quer que eu faça?
— Por favor eu te peço, fica perto de mim. É que não sei porque, você me deixa calmo...  Essas palavras fazem meu coração tremer.
— Tá bom. Eu fico perto de você, com uma condição: Vem na minha festa de aniversário???

♥Continua

<<< PRÓXIMO CAPÍTULO




 Galerinha, esse capítulo foi mega EXTENSO kkkk. O próximo capítulo não será bem um capítulo e sim um "tira-dúvidas", pra você perguntar o que quiser sobre a WebSérie. Beijão meus amores



Comentários

  1. Que fofo imaginei essa cena! Ele dizendo que ela o deixa calmo ♡.♡
    Beijinhos!
    bibliadasmeninas.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Amanda,
      Huummm, porque será que ela o deixa calmo???
      Não perca os próximos capítulos ^^
      Beijos♡

      Excluir
    2. Aiiin "
      Próximo capítulo agoora !
      Espero que eu esteja errada sobre achar que já está na reta final.
      Não tá acabando não né San ?
      Beijos linda !

      agarotaperfeita2.blogspot.com

      Excluir
    3. Oi Kelly,
      Fica tranquila que a série tá loooongeee do fim kkkkk.
      Ainda tem muito "pano pra manga", como diz minha avó.
      Beijos amada♥

      Excluir
  2. Gostei muito da sua série Sandreanny. Ja tinha visto ela, mas só hoje sentei me para ler! Você e sua irmã tem talento, Deus as abençoe cada vez mais, é de coração!
    Muito legal, ver a Clara evoluindo a cada capitulo. Eu ri muito com ela, e fiquei muito emocionada com a história dificil do Felipe (nome do meu irmão rs).
    Acho que da série tirando as protagonistas, eu gosto da Mila, ela é muito Crazy!!
    Aii estou ansiosa, será que ele vai aceitar o pedido?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Larissa,
      Vc não sabe o quanto me deixa feliz o seu comentário! Dá mais inspiração!
      A ideia é toda da minha irmã, só faço postar aqui ^^. A Clara aos poucos vai deixando aquele lado de menina, e vai evoluindo a cada capítulo e Felipe, nossa, que barra ele passou na vida (Que coincidência, o nome do seu irmão ^^)
      A Mila é aquele tipo "amiga pra toda hora" kkkk.
      Hum, será se ele vai aceitar??? Não perca, viu?
      Ah e a propósito, a sua WebHistória também é ótima, eu li ela viu?
      Beijos♥

      Excluir

Postar um comentário

❀¸¸.*♥*.¸¸.*☆ ❀
Não vai embora sem deixar seu comentário.
Sua opinião é muito importante para mim!♥
❀ ¸¸.*♥*.¸¸.*☆❀

Postagens mais visitadas