terça-feira, 8 de setembro de 2015

Nossas escolhas dependem dos nossos atos: capítulo 26

Finalmente conseguir desenhar uma arte decente!!! É pra glorificar de pé igreja !! Mais um capítulo amores!! No final do capítulo, farei uma menção honrosa às leitoras!  Boa leitura! (Meu Deus, já estamos no capítulo 26??? Nem eu mesma acredito nisso!)

Capítulo 26

♥Continuação do capítulo anterior:

O caminho para o hospital era tranquilo. Encosto minha cabeça na janela do ônibus. A brisa toca meu rosto. Os fones de ouvido estão no volume máximo. Eu sei que muitas pessoas dizem que faz mal para a audição, mas eu gosto! Fazer o quê né? Quando coloco os fones, minha mente viaja. Só assim consigo sair desse mundo caótico. A cada dia que passa, fico mais confusa! Quero falar para o Felipe, o quanto eu o admiro! Tá, tá! ''Admiro'' é uma palavra fraca. Quero dizer o quanto gosto dele. Não! Quero dizer o quanto eu o amo. Viu? Não disse que sou confusa... E pra completar, sou uma completa abobalhada! O Felipe é tão inteligente, tão sério. O jeito como os cabelos negro dele caem por cima dos olhos... Ah! Melhor eu parar antes que meu coração pare de vez!

Escuto a rádio. Está tocando a mesma música que tocou no meu aniversário. A música que dancei com o Felipe. Tudo o que faço ou penso sempre vai parar nele. Não sei o que faço. Acho que vocês devem pensar "Ah, a Clara é uma bobona! Porque ela não diz logo?" Não é fácil! Juro que tento, mas, tenho medo de estragar nossa amizade e principalmente, tenho medo de partir meu coração!

Desço do ônibus. Dou uma caminhada até o hospital. Diminuo um pouco o volume da música no meu celular. Melhor ficar atenta, do jeito que as coisas estão. Todo instante um roubo acontece. Chego no hospital. Pergunto a recepcionista sobre uma menina chamada Rosane. Eu já sabia o número do quarto, só queria saber se havia muito visita. Tem um limite de visitantes para cada quarto. Ela informa que tudo bem que eu fosse, desde que fizéssemos silêncio.

Aparece no quarto e as meninas dizem ''olá'' para mim. Faço um biquinho de raiva para Mila, porque ela não avisou que teria não aula hoje:

— Ah, não amiga. Não faça esse bico de raiva não! Eu juro que não sabia também. Tava tão preocupada com a Rô, que esqueci de ligar para você. Perdoada?
—  Hum... Vou pensar! 

As meninas e eu caímos na gargalhada. Rosane diz que quarta-feira ela iria para casa. Um homem aparece na porta do quarto. Muito educado. Era o tio dela, que viera para ficar com ela como acompanhante. Rosane abre um sorriso para o tio. Ao meu ver, ela gostava muito mais do tio do que da avó. Priscila estava exausta por ficar a noite toda acordada. Olho para minhas amigas. Nossa amizade vale ouro. Não quero perdê-las jamais. Assim que o relógio dá 17:00h, a enfermeira diz para sairmos do quarto, pois a hora das visitas acabara. Priscila se levanta da cadeira de plástico, abrindo um bocão de sono. Mila dá mais um abraço em Rosane. Abraço Rosane também. Vamos as três para casa. 

Priscila pega o ônibus para ir para a casa dela (eu já disse o quão longe é a casa da Pri?). Mila e eu acenamos da parada. Conto para Mila um segredo. Acho que minha família está indo para a falência. Conto também que pretendo arrumar um emprego:

—  Tá, mas, garçonete?
— O quê que tem, Mila? É um emprego honesto como qualquer outro!
—  Tá, mas e os clientes pervertidos? Você sabe que eu odeio homem que fica com gracinha! Dá vontade de quebrar os dentes da boca!
— Calma, menina! Que raiva é essa? Então? Vai me ajudar?
— Vou né? Quer que eu trabalhe junto com você?
— Não! Só quero que convença a minha mãe! A gente inventa e diz que é para um trabalho da escola, sobre ''Estudos Sociais''.
— Só não sei quem vai engolir essa mentira cabeluda!
— Não é mentira! Eu quero ajudar meus pais! Eu sinto que eles estão com problemas... E dos grandes!
— Tá, amiga! Eu convenço a sua mãe! Talvez quem saiba eu também não trabalhe contigo como garçonete?
— Ahhhhhh! Obrigada! Obrigada! Obrigada! Você é uma amigona! —  Digo exultante abraçando a Mila em público, que fica vermelha como um tomate.
— E se a gente se empaturrar de doces? —  Sugiro.
— Não, não. Deixo passar. Tô de regime sabe? Quero perder uns quilinhos... E eu sou besta de rejeitar essa proposta? Vamos lá se empaturrar de doces.

Compramos um pacote de jujubas, mais um pacote de MM'S e um tablete de chocolate. Preciso admitir: somos duas formiguinhas!

Assim que voltamos para casa, mamãe me avisa que meu pai viajara de novo, só que ela não disse o motivo da viagem. Mila conversa com a minha mãe. Parecia uma negociação de mafiosos. Mamãe concorda em a gente trabalhe na sorveteria. Ela ainda diz que isso seria bom para meu aprendizado como pessoa e que eu saberia valorizar todo o serviço que ela faz em casa e deixaria de ser tão preguiçosa! Poxa mãe! Valeu por me deixar pra baixo! Levo a cláusula para ela assinar. Ela ler tudo e assina. Eu trabalharia as 14:00h logo após as escola. Eu não disse para minha mãe que estava trabalhando por ela. Não contaria. Seria uma surpresa! No dia seguinte, levaria aquele papel ao dono da sorveteria. 



O uniforme! Não é fofo gente? 
No dia seguinte, levei a cláusula para o Srº Garcia, logo após as aulas. Não contei para o Felipe sobre meu novo emprego. O Srº Garcia contratou Mila de imediato porque a achou muito extrovertida. Recebemos o uniforme no mesmo dia. Mila adorou o novo uniforme. Era um vestido rosa com babados, com lacinhos vermelhos, típico de anime. Eu achei bonitinho, mas podia ver coraçãozinhos nos olhos de Mila.

A minha semana foi mega estressante e corrida. Agora, eu sei o valor de cada centavo que a gente ganha! Sempre que o sinal da saída tocava, Mila me arrastava para irmos o mais rápido possível para a sorveteria, deixando todo mundo com cara de paisagem. Levávamos o uniforme nas mochilas e trocávamos no banheiro dos funcionários da sorveteria. Não havia apenas nós de funcionárias. Havia o cara que fazia os hamburguês, a menina do caixa, a menina dos panfletos e a outra garçonete que nem olhava na nossa cara. Ela desprezava a gente.
Tinha impressão às vezes, de Mila está gostando mais do trabalho do que eu própria.

 Rosane voltou a escola. Todos queriam assinar o gesso dela. Shirley se roía de raiva. Ela não falava com Rosane e nem Rosane falava com ela. Ela me confessou que pela primeira vez, estava sendo livre, pois Shirley nunca deixava ela fazer nada. Rosane adorava jogos de video-game e revistas em quadrinhos porém a "poderosa'' Shirley dizia que, se ela quisesse ser parte do grupo, teria que ser descolada, não geek. Eu disse a Rosane, que jamais diria para ela ser uma coisa que não é. Ela sorriu.

A semana de provas foi mesmo infernal, porém mais infernal que isso, foi aguentar meu novo trabalho: Atender clientes irritantes, colocar medidas exageradas de sorvetes nas taças, ouvir gente reclamando que levei o pedido errado. Mila sempre se saía melhor do que eu nisso! Pensava as vezes em desistir, mas, lembrava da conversa dos meus pais. Iria aguentar até ter dinheiro suficiente para eles. No entanto, aquela ainda era minha primeira semana. Pagamento somente no fim do mês! 

Ufa! Fim de expediente! Ainda tinha que lavar as louças. Não sei como Mila conseguia se divertir tanto. Essa minha amiga é um miolo mole. Depois, íamos limpar as mesas, recolher o lixo e varrer o chão. Terminamos de limpar a sorveteira. Deixamos tudo nos trinques. 

Estava tão cansada. Parecia que meu corpo havia sido pisado por um elefante raivoso! Estava muito exausta. Tinha preguiça até para trocar de roupa. Meus cabelos estão desgrenhados, meu uniforme de trabalho estava sujo de cobertura de morango, As sapatilhas apertam meus pés. Mila troca de roupa no banheiro. Pego minha mochila. Trancamos a sorveteria. Caminhamos juntas. Mila bota a mão na cabeça:

— Droga, amiga! Esqueci meu celular na sala dos funcionários! Me dá a chave. Vou buscar rapidinho.
— Tá, Toma aqui.

Ela sai correndo para buscar o precioso celular. Espero ela embaixo da luz do poste. Não havia uma viva alma passando naquele momento. Você já teve a sensação de que a qualquer momento o Jason vai surgir de algum lugar? Preciso parar de ver filmes de terror!

De repente uma voz conhecida agita meu coração. Felipe estava segurando uma sacola de papel, vestindo uma camisa verde-escura sem mangas, uma calça jeans desbotada e os seus adorados All-Star:

— Vai a alguma conferência de cosplayers?
— Felipe? Não, não esse aqui é o uniforme do meu novo emprego.
— Não sabia que estava trabalhando.
— Desculpa não te contar... É que essa semana tem sido muito corrida.

Mila aparece correndo sem fôlego. Ela para e coloca as mãos nos joelhos arfando:
— Aqui ó. As chaves. Oi Felipe.
— E essa é a cúmplice? —  Pergunta ele
— Pois é. A Clara é muito nova nesses lance de emprego, então vim dá umas dicas para ela. — Se gabava Mila. —  E você Felipe? O que faz aqui?
—  Acabei de voltar do meu trabalho também. Minha tia pediu para comprar comida chinesa no caminho.
— Ai, que legal. Podemos ir para casa juntos. —  Falo saltitante.

No caminho para casa, Felipe e Mila conversam sobre as maravilhas de ter um emprego na adolescência, ou algo assim, não prestei muita atenção. Tá bom gente! Eu não sou a melhor ouvinte do mundo! Mas, não pude deixar de notar que Felipe não tirava os olhos do meu uniforme. Fiquei vermelha. Era constrangedor está vestida com aquela roupa. Tá! Ela era uma roupa bonitinha, mas, só no trabalho. Fora dele, parecia que eu tava fazendo cosplay! Como Mila era a minha vizinha, Felipe não me leva até em casa. O vemos ir embora. Lindo e totalmente responsável:

— Pensa que eu não vi? O Felipe tá caidinho por você!
— Ah, pára! Tá nada. Ele deve tá rindo por dentro, desse uniforme ridículo.
— Amiga, você vai me matar, mas eu fiz uma coisa...
— O que você fez? 
— Eu dei o seu número para o Felipe!
— O QUÊÊ????
— Desculpa, ele pediu com carinho. Se ele não estivesse afim, não teria pedido né? Bom, vamos andando. Nossas mães podem estar preocupadas.

Mila poderia ter razão. Se ele não estivesse interessado, não teria pedido o meu número... Eu acho. Apareço na sala de casa, e Júlia que tava no celular, olha para mim e cai na risada. Affs! Irmã mais velha sem noção! Fico vermelha de raiva e subo as escadas. Mamãe estava na igreja. Reunião do Círculo de Oração.

Deito na minha cama! Ah, como era confortável. Parecia que estava há uns 100 anos longe dela. 

Meu celular toca. Se era a sem-noção da Júlia com mensagens maldosas, ela ia ver só! Espera. É um número desconhecido! 987*********! Nunca vi esse número antes. Deslizo a tela para ler a mensagem:


*Boa noite “menina do vestido de babados”.
*Boa noite, pessoa do número desconhecido.
*Ainda não sabe quem é? Dica: Tenho cabelos negros e no começo das aulas te dava gelo!
*FELLLIIIPPEEE!!!
*Não precisava gritar rsrs
*kkkkk  desculpa. Vou nem perguntar. Eu sei que a Mila te deu esse número.
*Eu pedi para ela. Você vivia fugindo de mim na escola.
*Não é que eu fugia. É mais é questão de pontualidade no trabalho. Ou chego na hora ou meu salário é cortado! =(
*Sei como é...
*Mais enfim, porque você tá me enviando mensagens? Aproveitando o presente do papai hein?!
*É mais ou menos. O celular até que é legal, mas, não consigo ficar 24 horas por dia com ele na minha cara.
*Eu consigo kkkk
*Temos uma vencedora kkkkkkk
*Diz! por que está conversando comigo?
*Meu pai tem me ligado essa semana. Digamos que estamos nos entendendo.
*Que bom Felipe.:)
*Mas isso não quer dizer que eu o ame. Ainda sou receoso quanto a ele, mas é legal conversar com uma figura masculina.
*Ownt :3
*Ele quer que eu viaje com ele nas férias em dezembro.
*Nossa que legal.
*Esse é o problema Clara. Estamos em novembro. Ou seja no próximo mês irei embora.
*Embora? Tipo? Pra sempre?
*Eu não seu dizer, então eu preciso dizer, ou digitar, uma coisa para você. Eu---
SEM BATERIA

Droga! Meu celular descarregou no momento mais importante do nosso bate-papo. Procuro o carregador pelo quarto todo. Finalmente acho. Coloco apressadamente o celular na tomada.
Fico roendo minhas unhas desesperada com a mensagem de Felipe. Anda celular lerdo! Anda!!!! A tela acende. Procuro a mensagem. Uma surpresa nada boa.

*Eu--(Você usou 100% da internet. Agora sua navegação foi interrompida.)

A mensagem dele nem veio inteira! Que raiva! Jogo minha cabeça no travesseiro! E agora? O que o Felipe queria me dizer? Ele iria mesmo embora? Ele... Não pode embora! Não pode partir sem saber que eu o amo! Abafo meu choro no travesseiro. Ótimo! O amor da minha vida estava indo embora! Eu sou uma completa idiota! Ele tem que saber! Precisa saber!


Agora, minha menção honrosa às leitoras tops da WebSérie:
Kelly Souza
♥Larissa Carneiro
♥Ann Lee
♥Bya
Carmem Souza
♥Mônica Gisela
Bárbara Duarte

Obrigada amadas por acompanhar a Web Série! Deus abençoe cada uma (se esqueci de citar alguém, por favor diga nos comentários)

Até o próximo capítulo amadas!

*Pessoal, me perdoem se o capítulo ficou mega extenso. Passei muito tempo sem escrever. É muita ideia acumulada para um capítulo só!



7 comentários:

  1. Que honra! Fui citada no capitulo! AHHHHHHHH

    ResponderExcluir
  2. E por falar nisso: amei o uniforme das meninas! muito fofo! <3

    ResponderExcluir
  3. Vou ter um infarte !KKKKKK Meu Deus, esse chip da Clara só pode ser da Tim né?!

    Espero que vc poste logo, vou ter um ataque aqui KKKK


    San, Deus tem feito vc se aperfeiçoar neste dom, é incrivel como esse capitulo me prendeu de uma forma muito divertida do inicio ao fim. Que você O HONRE cada vez mais através de seus contos e estórias, Deus seja louvado na sua vida1
    E obrigada por me citar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lary
      kkkkkkkk pois é! Essa operadora dela é das ruins.
      Acho que daqui para esses dois dias eu posto um novo capítulo.
      Obrigada amada pelos elogios. Que Deus a abençoe muito" ^.^
      Beijos

      Excluir
  4. Muito Honrada ! E não é nenhum trabalho ler a web história não !
    E quanto ao capítulo extenso : Faça capítulos extensos sempre hahah !
    Kkk, Concordo com a Lari !
    Só pode ser da tim !
    Como assim logo na hora H esse negócio descarrega ?
    Eu teria jogado na parede ! E eu quero um uniforme assim também !
    Roendo as unhas aqui na espera pelo próximo capítulo !
    Muitos e muitos e muuuuitos beijos, San.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kelly,
      Vou tentar fazer mais capítulos longos assim, rsrs
      Pois é! Chip troll esse não? kkkk.
      Acho que daqui para dois dias eu posto o próximo! ^^
      Beijos

      Excluir
  5. Tá perfeito San
    Continue postando mais.♥

    ResponderExcluir

❀¸¸.*♥*.¸¸.*☆ ❀
Não vai embora sem deixar seu comentário.
Sua opinião é muito importante para mim!♥
❀ ¸¸.*♥*.¸¸.*☆❀