sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Nossas escolhas dependem dos nossos atos: capítulo 27

Mais um capítulo meus amores!!! 

Capítulo 27

Meu celular descarregou na parte mais importante de uma conversa decisiva, e para piorar, minha internet chegou ao limite! Ah! Minha madrugada não podia ser pior! Acho que posso perguntar para ele na escola! É! Farei isso mesmo! Se eu conseguir não ficar tremendo perto dele. Por que eu sempre me meto nessas situações embaraçosas? Abraço o ursinho que Felipe me dera de presente no meu aniversário. Trocaria o abraço naquele urso, por um abraço em Felipe...

Acordei bem cedo, diferente de dias atrás. Penteei meus cabelos e passei um pouco de blush no rosto. Para completar um batonzinho nude. Ponho meu fofo uniforme de trabalho na minha mochila. Desço as escadas, tomo meu café e parto para a casa de Mila.

Mila abre um bocão de sono. Acho esse emprego está acabando com nós duas. Mal vejo a hora de receber meu pagamento.

Chegando na sala de aula, vamos cumprimentar Rosane e Priscila, que estavam mexendo em seus celulares. Rosane está bem diferente de antes. Como Fany, ex-seguidora de Shirley, ela usava roupas indiscretas, super decotadas, calças justíssimas e salto alto. Agora, como Rosane, nossa amiga, ela veste confortáveis, comportadas e só a vejo de tênis. A mudança nela foi algo surpreendente. Sinto que ela está mais a vontade conosco. Ela caminha de muletas, por causa do gesso na perna quebrada, até Mila e eu:

— Bom dia meninas. Olha só quantas assinaturas tem no meu gesso! Tô me sentindo uma estrela agora (risos). Vocês parecem tão cansadas. Tudo bem no emprego de vocês?
— Ai, nem me fale disso! Nunca pensei que eu fosse odiar tanto ver sorvete na minha frente! —  Afirmo.
— Só se for você! Adoro sentir a fragrância da baunilha. Eu tô amando o meu emprego e sem contar que eu ainda visto aquele uniforme mega fofo. Fico me sentindo uma princesa! Ainda converso com o Juca, a Nanda, a Paty e a Roberta, apesar dela ser meio fresca...
— Quem é esse pessoal, Mila? —  Pergunto confusa
— Você é uma boba mesmo! São os funcionários da lanchonete Clara! Eu hein?! Você vive no mundo da lua mesmo!
— Ha ha! —  Dou um riso debochado. —  Melhor a gente sentar, o professor está para chegar e a primeira aula é matemática.
— Ah, os resultados das provas da semana passada! Tô mega nervosa! —  Falava Mila roendo as unhas.
— Acho que não fui tão mal. Mas também não fui tão bem. Estudei pouco. — Confessa Rosane.

Sentamos em nossas cadeiras. Felipe ainda não havia chegado. Que estranho! Ele é sempre o primeiro a chegar na escola. Deve ter acontecido alguma coisa! Tento me distrair. Os resultados das notas são entregues. Felizmente nenhuma nota vermelha. Tudo graças as horas de estudo que Felipe sacrificou por mim.

As aulas na escola correm como as areias em uma ampulheta. Logo, o sinal da saída toca, Sei lá, acho que só eu tenho essa sensação de que o tempo passou rápido. Deve ser porque o Felipe não veio hoje. Dou tchau para Rosane e Priscila que vão para um lado, enquanto Mila e eu vamos para o outro, para mais um dia estafante de trabalho.


No banheiro dos funcionários, enquanto trocamos de roupas, Mila inicia um bate-papo:

— Amiga, seu gato não veio hoje para a escola.
— Mila, ele não é meu gato! —  Mais eu queria que fosse.
— Em todo o caso, ele conversou contigo pelo celular?
— Conversamos bastante.
— Ai, conta, conta, conta!
— Mila, não! Esses assuntos do coração são embaraçosos de contar para uma amiga!
— Ai, sua chata! Quando eu tiver uma paquera também não vou contar!
— Sua boba! — Mostro a língua para ela. Apesar de discutirmos muito, sempre levávamos na brincadeira.

E fomos cada uma para sua função. A menina do caixa, a Nanda, pegou uma gripe terrível. Então a Mila iria substituir ela cuidando do caixa, ou seja, eu iria ficar sozinha anotando os pedidos e colocando o sorvete nas taças.

Os pedidos chegavam a me irritar! AHHH! Havia um garotinho chato e uma mulher chata que viviam pedindo para eu voltar na cozinha e trazer outro sorvete porque o filhinho fresco dela era alérgico a isso, alérgico aquilo! Affs! Não sei quantas viagens eu fiz. Sinceramente, minha cabeça não estava ali naquele local. Meus pensamentos estavam focados em Felipe. Aonde será que ele estava? Queria tanto conversar com ele, saber o que ele queria me falar por telefone. Será se ele acha que eu encerrei o bate-papo de propósito???

O Srº Garcia, no fim do expediente avisa todos os funcionários que vai precisar viajar por uns dias, para uma conferência de sorveteiros (Sim, isso existe! Imagina minha cara quando escutei isso?? Fiquei com uma baita vontade de rir!). A sorveteria ficaria sobre o comando do filho mais velho dele, um tal de Flávio, que tinha 17 anos. Bom, desde que isso não fosse atrapalhar o recebimento do meu salário!

Na escola, conversava bem pouco com Felipe, tudo por causa da correria do meu bendito emprego. Na quinta-feira, finalmente puder tomar um pouco de coragem, e conversar com ele no refertório:

— Oi! Desculpa está fugindo esses dias! O trabalho tá uma loucura. Meu chefe viajou então isso significa trabalho dobrado.
— Poxa, que chato isso. Ei, tentei conversar com você pelo bate-papo do WhatsApp esses dias e não conseguir.
— Ah, desculpa! A minha internet... Sabe... O pacote expirou!
— Frustante isso.
— Ei, porque você não apareceu na segunda-feira?
— Se eu te contar um segredo, você não conta pra ninguém? Nem pra Mila?
— Humm.... Prometo! - Falo levantando a mão direita para o alto
— Achei um gatinho de rua abandonado e o trouxe para casa.
— Ai que fofo! Essa é a coisa mais gentil que alguém poderia fazer... Mas, porque não posso contar para ninguém?
— Tenho uma reputação a zelar. A reputação do "lobo solitário".
— (Risos). Você é meio maluquinho Felipe.
— E você é uma fofura vestida de garçonete! Epa, acho falei isso muito alto!
— Falou sim... — Sinto meu rosto ficar quente. Então eu era uma fofura? — Mudando de assunto, você vai viajar nas férias de dezembro?
— Meu pai quer que eu viaje com ele. Ainda é estranho chamá-lo de pai.
— Com o tempo vocês vão se dá bem. Eu tenho fé em Deus que sim!
— É... Eu acho...


Talvez eu pudesse achar que meu trabalho na lanchonete iria ser as mil maravilhas, porém, logo me desapontaria. O filho do chefe era um tremendo babaca! Porque estou dizendo isso? Assim que fui para fora recolher o lixo mais a Mila e voltei para a cozinha, eu vi ele humilhando a Paty, a menina dos folhetos, tudo porque ela deixou cair cobertura de baunilha nos sapatos engraxados de couro dele. Ela parecia desconfortável com a situação, já ele estava adorando berrar em cima dela. Eles não me viram, pois me escondi atrás da geladeira. Aquele moleque era um tremendo idiota! Se o pai dele soubesse que ele usava a desculpa de demitir as funcionárias, ele estava perdido!

Alguns dias depois, Mila estava toda abatida:

— Algo de errada Mila? O que você tem? Tá toda estranha!
— Nada! Não tenho nada! É impressão sua!

Eu perguntava para ela o que ela tinha, e ela nada respondia. Isso me deixava preocupada. Logo, no banheiro da escola, ela confessou para mim e para as meninas, que quando ela estava lavando as taças sujas de sorvete, Flávio havia debochado dela por ela ser cristã e ainda a ameaçou dizendo que se ela contasse à alguém o que ele havia falado, ela estaria no olho da rua. Aquilo era a gota d'agua! Quem aquele riquinho metido a besta pensava que era? Estava decidida a enfrentá-lo! Eu iria enfrentá-lo!

No dia seguinte, depois da escola, entrei no escritório do Srº Garcia que o Flávio já havia se apossado. Ele se achava o "poderoso Chefão" pelo visto. Com toda educação do mundo, bato na porta e entro:

— Com licença, Srº Flávio!
— Entra! O que você quer??? —  Nossa, ele era um "poço de educação"
— Bom, (pigarro) eu vim falar sobre algumas coisas que o senhor anda fazendo que eu acho errado. As meninas ficaram magoadas com as suas atitudes.
— Lá vem uma reles funcionária dá uma de puritana. E você é quem? A minha mãe? Garota eu faço da minha vida o que eu quero! Vocês não passam de empregadinhos para mim! São todas incompetentes! —  Dizia ele com os pés em cima da mesa.
— O quê?? —  O cara era maluco de pedra. Além de abusar da autoridade, sendo filho do patrão ainda queria tratar a gente como lixo! Ah, aquilo era demais! Ele ia escutar poucas e boas! — Escute aqui Srº Flávio, eu não trabalho para você! Trabalho para o seu pai! E se você não parar com essas grosserias para cima das funcionárias, eu vou te denunciar!
— Talvez eu esteja facilitando as coisas para você! Por causa da sua desobediência, vai trabalhar no sábado também!
— Não pode fazer isso!
— Posso e vou! Clara você vai trabalhar no próximo sábado e se você pensar em faltar, demito você e sua amiguinha "crente"! — Aquele moleque metido a besta era mais imbecil do que eu pensava.

Ele transformou meu serviço em um tormento só. Pelo menos, ele deixou as funcionárias, incluindo a Mila em paz. Flávio me obrigou a limpar os banheiros, a recolher TODO o lixo da sorveteria, me obrigou a limpar o escritório do pai dele. Tudo sozinha! Tava quase perguntando se ele não queria que eu lavasse o carro dele!! E olha que isso foi tudo em uma noite de SEXTA-FEIRA!

No fim do expediente, ele mandou os funcionários sair mais cedo e me deixou sozinha na lanchonete limpando a cozinha. Quando fui ver aonde estava todo mundo, vi que estava só em uma lanchonete vazia. Aquele riquinho mimado!

Quando olho para o relógio do meu celular: 20:56h. Cacetada! Se eu não pegar o ônibus agora, sabe-se lá que hora vou chegar em casa. E sem contar que estava perdendo metade do culto! Não dá tempo nem de trocar de roupa. Vou vestida de cosplay mesmo. Chegando na parada, um aglomerado de pessoas! Todos me olhavam por causa daquele uniforme esquisito. Ai meu Deus! Aonde eu fui amarrar meu burro???

Subo no ônibus lotado para a Vila Margarida (meu bairro). Um espreme, espreme só! Sem contar o odor de catinga! Chega fico sem fôlego! Ai meu Deus! Socorro!!

Ouço uma voz familiar, vindo da porta traseira do ônibus. Deus me enviou um anjo cujo nome é... Felipe! Trajando uma camisa vermelha com a coroa do "Keep Calm", ele sorrir para mim assim que me vê:

— Felipe, o que faz aqui?
— Eu é que te pergunto: o que faz aqui? Não tá muito tarde para sair do trabalho?
— Ah é uma longa e irritante história. Fico feliz em te ver!

Nesse momento, alguém estava atrás de mim, se roçando em mim. Fiquei com vontade de gritar, mas, ao mesmo tempo com medo. E se ele estiver armado? Ai meu Deus. Me ajude. Nem a minha mochila consegue deixar esse cafajeste longe de mim! Estou me segurando no mastro do ônibus. Não dá nem para se esgueirar. Fecho os meus olhos, desejando que a pessoa que está atrás de mim se roçando, pare com isso. Escuto a voz de Felipe. Tão séria, tão rígida:

— Ei, cara. Se afasta dela. Não ver que está a incomodando??
— E isso é da sua conta?
— É sim! Ela é minha namorada!!
— Ah foi mau. Desculpa aí mano.

Naquele momento meu coração parou. Quem quer que seja, parou de fazer o que estava fazendo e se afastou de mim. Felipe põe o braço sobre os meus ombros, me protegendo.Senti perfume de sua fragrância. Não poderia ser o momento mais embaraçoso da minha vida! Felipe me defendeu de um tarado, dizendo que era meu namorado e ainda colocou o braço sobre os meus ombros!!! Meu Deus!! Meu rosto está pegando fogo! Ele se aproxima do meu ouvido e sussurra:

— Não vou deixar ninguém fazer mal à você!
— Promete?
— Prometo!

A viagem fora mais curta do que eu pensei. E a mais emocionante também. Descemos no ponto final. Queria tanto agradecer o Felipe, mas, não sabia como...:

— Eh...Obrigada... Me ajudou tanto lá no busão... (risos sem graça)
— Clara, eu disse que você era minha namorada, mas foi só parar afastar aquele mala-sem-alça...
— Eu queria que fosse verdade! —  Ponho a mão na boca. Eu não falei aquilo em voz alta! Falei?
— Clara... Tudo bem com você?
— Tudo. Eu só sei lá... Eu gosto muito de você...
— Gosta de mim??
— Gosto... Muito... — Meu coração palpita sem parar.
— Clara... Ah... Vou me arrepender disso... —  Diz ele suspirando enquanto joga os cabelos para trás.
— Arrepender do quê???
— Disso!

Felipe segura meu rosto com suas mãos... De repente, meu mundo gira. Não sentir mais nada. Apenas os lábios de Felipe nos meus. As borboletas em meu estômago não paravam quietas. Minha visão ficou turva. O meu rosto em brasa. Fora um beijo suave e arrebatador. Seus lábios eram doces e ternos. Nunca havia sido beijada em minha vida, e ser beijada pelo menino que amo, foi a melhor que me aconteceu:

— Boa noite, Clara.

Felipe se despede de mim, andando com as mãos nos bolsos. Ainda estava estática sob a luz do poste. Toco os meus lábios com os dedos para saber se aquilo era verdade...

Fogos de artifício explodiam dentro de mim...



FINALMENTE MEU POVO!!!!

Continua...

<<< PRÓXIMO CAPÍTULO


11 comentários:

  1. Quando ele falou Vou me arrepender disso... eu me inclinei pra trás e tomei uma queda da cadeira kkkkkkkk !
    Mas ok !
    QUE LIIIIINDDOO !
    Finalmente aconteceu !
    Vivas e Glórias a Deus meu povo !
    Que booom !
    Mas ninguém deu o direito dele ir embora !
    San, vai ter a versão dele sobre o capítulo ?
    Beiijos,
    Mais um please !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kelly,
      Acho que já tava na hora dele fazer isso kkk
      Todo teve essa reação.
      Acho que logo, logo vou fazer uma versão do Felipe sobre esse capítulo.
      Beijão amada

      Excluir
  2. Capitulo lindo, sinto que o amor dos dois é muito puro, só sinto falta de vê Los buscando a Deus unidos. Conversas espirituais sabe? Rsrs

    Aii Eles se beijaram, kkkkk que lindo! Meu Deus! kkkk A kelly caiu kkkkkk
    Sandreanny por favor não demore a postar, estamos curiosas para o próximo!!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lary,
      Obrigada pela sugestão! Vou colocar mais diálogos relacionados à Deus.
      Prometo não demorar. Prometo!
      ♥Obrigada por acompanhar

      Excluir
  3. Sasssssaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa quer me enfartaaaarr????? Não cai como a Kelly mas em um ato inconsciente fiquei sem respirar por segundos e soltei um "Caraca lelek" e me congelei aqui no hospital em frente ao note, que estou acompanhando minha mãe!
    - Ela disse o que foi?
    - A Sandreanny mãe!
    - Quem é Sandreanny?
    - A Sandreanny da Clara

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk! E isso foi por que de tanta emoção tinha parado no (Disso...) Tipo sabíamos que ia acontecer isso alguma hora mas superou todas as minhas expectativas! Me deu até umas idéias para umas situações que a Estela vai viver kkkkkkkkkkkkkkkkk Sassa perfect capítulo finalmente o "Tudo no seu tempo" chegou!

    Super milhões de beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lú
      Não sabe como fico feliz com seu comentário. Chega abrir um sorrizão daqueles.
      Menina, respira, calma, relaxa...
      Acho que esse capítulo vai ficar marcado na mente de vocês por um bom tempo...
      Fico mega feliz por vc está acompanhando cada momento da nossa heroína confusa chamada Clara.
      Milhões de beijos para você também amada!

      Excluir
  4. Owo! Que capitulo!!!! Eu não acredito no que acabei de ler!!!
    Muito bom San. Agora meu coração parou de vez kkkk

    ResponderExcluir

❀¸¸.*♥*.¸¸.*☆ ❀
Não vai embora sem deixar seu comentário.
Sua opinião é muito importante para mim!♥
❀ ¸¸.*♥*.¸¸.*☆❀